INQUÉRITO!!!

Um pouquinho do seu tempo, posso?

Responda a esta pergunta sobre o que gosta de ler neste blog, aqui:


OBRIGADA!!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Olha a magra!!

Ao ler este post da SAV, já tinha ficado a pensar nisso ( e já agora, grande reposta, again!).

Ontem, quando fui buscar o meu filho ao colégio voltei a apanhar uma cena que me deixa muito mal disposta: uma auxiliar, que até é bem magra, ao despedir-se de uma mãe, atira-lhe de longe com um "Olhe, tem de comer mais, está muito magra!!" Eu, que não tinha nada a ver com a conversa, fiquei estarrecida. A mãe lá lhe respondeu com um "Pois, não há maneira, estou mais magra, mas eu como muito..." E ela volta à carga "Está esquelética!!" "Pois... adeus..."

Eu já tinha dito algures neste blog que acho de péssimo tom as pessoas fazerem esse tipo de apreciações sobre o corpo e o aspecto das outras, principalmente assim, não sendo íntimas e atirando uns bitaites alto e bom som e à laia de converseta da treta. E muitas vezes rematarem com preciosos "Tens de comer mais" Boa, bem pensado!

E isto tanto vale para o caso de a pessoa visada estar mais magra ou mais gorda. Acho que o cuidado a ter deve ser exactamente o mesmo.
Apesar de me parecer que as pessoas inibem-se muito mais de dizerem que uma pessoa está mais gorda, mas atiram imediatamente um "Estás tão magra :S Estás magríssima" assim que nos põem a vista em cima, mal dá tempo para dar um beijinho. Nunca ouvi ninguém dizer "Ai credo, estás tão gorda, estás gordíssima, um cachalote!" Mas porquê se sentem as pessoas no direito de dizer exactamente a mesma coisa, mas em versão esqueleto?

Não se apercebem que tanto num caso como noutro a visada sente-se nua, virada do avesso, como carne em exposição no talho, com a malta a tirar-lhe as medidas... Para já não falar das razões que podem levar uma pessoa a estar mais magra ou mais gorda. Nem todas as pessoas são gordas por enfardarem croissants em barda e nem todas as pessoas são magras por fecharem a matraca. E mesmo que assim fosse, continua a ser de mau tom. Péssimo.

Quando mo dizem, no fundo e em rescaldo não fico descontente, pelo contrário, porque eu estou mais magra, eu sou magra, gosto de me ver magra e acho que estou muito bem assim. Mas não gosto da forma como mo dizem. A primeira reação é sempre aquela, de grande desconforto, de grande escrutínio. E também só me saem respostas idiotas como "Mas eu como..." Quando eu devia dar-me ao trabalho de dar outras respostas.

Quando é com genuína preocupação: não, não fiquem aflitas, eu não estou doente, eu estou bem contentinha, eu como bastante, pela milésima vez!

Quando estiverem simplesmente a ser desagradáveis porque, bitch me, como é que eu estou mais magra, ou se quiserem usar o meu corpo como desbloqueador de conversa:


Às vezes dava-me jeito não achar o sarcasmo um dos piores defeitos que uma pessoa pode ter. Às vezes dava-me jeito aguentar sem remorsos a crueldade e o mal-querer que lhe está intrínseco e ser assim, de resposta sarcástica afiada na ponta da língua, fofa  ♥ ♥ ♥

Eu é mais: ficar sem resposta de jeito com a malta em geral e ser muito bruta e escancaradamente sincera com os íntimos... O resto, são grandes momentos de gargalhada no Pinterest!

18 comentários:

Anônimo disse...


Deixa lá, se o comentário fosse "olhe lá se lê mais uns livros e deixa de ser tão estúpida" seria bem pior. Há pessoas que de facto levam muito a mal os comentários ou apreciações que lhe fazem sobre o aspecto físico, mas a mim incomoda-me mais outros aspectos. Podem chamar-me feia, mas não me chamem parva que aí vou aos arames. sei que não sou uma nem outra, mas a segunda dói mais.
Ana

Sofia disse...

LOL... exatamente o que eu queria dizer e ainda não disse... mas há tempos, no elevador, uma colega que por acaso era a Diretora de RH, disse-me que eu estava esquelética, ao que eu tive a presença de espírito para responder "Acho que deve ser do stress laboral. Até estou a ponderar por baixa, ou então um processo à empresa". :-D

Maria de Lurdes disse...

De facto, seria bem pior, que chato ter de ouvir isso, auch...

Ainda bem que nunca mo disseram, se calhar nunca dei motivos para isso...
Lá parva e estúpida é coisa que eu não sou. Magra, sim.

Maria de Lurdes disse...

Sofia, muito bem respondido, e logo a quem!

Polliejean disse...

Como se ser magra fosse sinónimo de doença... Inveja e dor de cotovelo, é o que é.
Ouvi muito isso depois de ter tido a minha filha, especialmente de outras mães (e pais, cujas mulheres são gordinhas!), simplesmente porque não acreditavam como é que eu JÁ podia estar tão magra... Então mas não é suposto ficar deformada quando se tem um filho, ou pelo menos nos 2 anos seguintes??? Nem vos digo tudo aquilo que me apetecia responder...

Anônimo disse...


Tudo depende da confiança da pessoa. Porquê levar a mal? Se estás confiante do teu aspecto, se tens segurança em que estás bem é ignorar. É típico das mulheres ficarem ofendidas com esses comentários mas acho que é a fraca auto-estima a funcionar aí.

Conto um episódio. Há tempos atrás tive de tirar passaporte numa corrida para aproveitar uma viagem óptima que apareceu inesperadamente. A minha foto ficou horrível, a sr.ª educadamente perguntou se eu queria repetir, eu estava cheia de pressa e disse "não ligue, eu já não tenho idade para peneiras" e vim com a foto de mim esbaforida, corada e quase de lingua de fora no passaporte. Quando viajamos aquilo é sempre fonte de risota, o meu marido cita-me sempre o que respondi naquele dia e rimo-nos os dois, sem inseguranças da minha parte porque sei que o aspecto ao vivo, o de todos os dias é muito melhor que aquele.
E a idade traz-nos de facto essa segurança.
Gosto muito do seu blogue

Anônimo disse...


Concordo totalmente com a Polliejean, é mesmo dor de cotovelo feminina, sobretudo de quem foi mãe e não recuperou.
Mas também digo uma coisa que me surpreendeu muito, isso ou era mito ou essas mulheres gostavam era de enfardar doces e isso era desculpa, porque tive bebé há 9 meses e desde que ando nestas lides de hospitais,centros de saúde, creches e farmácias só vejo mamãs giras, bem cuidadas e nada de deformidades... pessoas que se esforçam apesar de serem tempos muito ocupados os que se seguem ao parto.
No meu caso que não tenho magros na familia, perdi o peso da gravidez, e voltei à minha rotina que passa por ter cuidado para não cometer exageros.
também conheço umas duas mamãs da minha altura que emagreceram para lá do que tinham antes de engravidar mas foi porque têm meninos complicados, que lhes dão preocupaçoes de saúde, elas pouco dormem e andam sempre numa correria na vida delas.

cristina disse...

Sou uma leitora assídua, mas nunca comentei. Mas hoje tenho de o fazer! Porque me dizem exactamente o mesmo! E eu sinto-me nua! Tal e qual o descreves!!Sim, sou magra e depois?! Haja saúde!!!!!
E também eu, fico sem resposta , sem reacção. Ai que nervos!!!
Parabéns pelo blog!

Miú Segunda disse...

Mais uma para o clube das irritadas. Posso inscrever-me? Também eu já ouvi isso "n" vezes. E sempre de mulheres que estavam longe de ter corpos acima da crítica. A minha irmã também se queixa do mesmo. A verdade é que sempre fomos magras - se bem que mais quando estávamos à volta dos vinte ;). Mas mesmo agora, em que já não temos aqueles ossinhos a marcar os ombros e até estamos, na verdade, "rellenitas", há muitas almas compadecidas que vêm informar-nos de que estamos "tão magras". Durante muito tempo aguentámos caladas com um sorriso amarelo. Agora, quando me dizem "Estás tão magra!" ou "És tão alta!", respondo "Estás tão gorda!" ou "És tão baixa!" Asseguro-lhe, Maria de Lurdes: é remédio santo!

Miú Segunda disse...

Mais uma para o clube das irritadas. Posso inscrever-me? Também eu já ouvi isso "n" vezes. E sempre de mulheres que estavam longe de ter corpos acima da crítica. A minha irmã também se queixa do mesmo. A verdade é que sempre fomos magras - se bem que mais quando estávamos à volta dos vinte ;). Mas mesmo agora, em que já não temos aqueles ossinhos a marcar os ombros e até estamos, na verdade, "rellenitas", há muitas almas compadecidas que vêm informar-nos de que estamos "tão magras". Durante muito tempo aguentámos caladas com um sorriso amarelo. Agora, quando me dizem "Estás tão magra!" ou "És tão alta!", respondo "Estás tão gorda!" ou "És tão baixa!" Asseguro-lhe, Maria de Lurdes: é remédio santo!

Saltos Altos Vermelhos disse...

Se eu vos contasse as vezes que ouço isso ao dia e basicamente a partir do momento que comecei a ser olhada pelo mulherio!
Sou magra. Ponto! Não sou doente! Sou feliz, vivo feliz com o meu corpo. Se gostava de ser mais gordita? Claro que sim. Mas isso sou eu, não preciso que ninguém me venha dizer isso vezes sem conta. Como se fossemos engordar só porque aquela pessoa nos está a dizer... Hiellloooo!
E não, não dizem por carinho, acreditem que em 34 anos de existência já sei bem distinguir o nível de alcance.
Beijocas :)

Leila disse...

Também ouço isso algumas vezes. E em resposta agradeço sempre, e ás vezes até acrescento "e ainda bem, que assim posso comer de tudo". As pessoas querem é atenção e não se sabem colocar no seu lugar. É de sentir pena de não lhes sair nada melhor da boca... ou não sair nada de todo.

Miss Perfect disse...

Para mim o pior de tudo é quando as pessoas fazem perguntas e eu tenho de explicar que como muito. Quando me dizem que não acreditam eu começo a dizer que como imenso, como tudo o que quero em quantidades enormes, sou um animal a comer... E aí as pessoas vao-se acanhando e a conversa acaba. ´E chato, mas basta exagerar na conversa qua a maioria das pessoas desiste.
Mas mau, mesmo mau é a dificuldade em comprar roupa. Tudo o resto se aguenta...

Anônimo disse...

Eu sempre fui uma pessoa mais para o gordinha, e no entanto nunca me senti uma pessoa gorda. Tenho plena noção do corpo que tenho, sei que nunca irei vestir Xs,S,M e em algumas vezes nem o L, culpa também das marcas e da sociedade. Nunca me importei com a imagem que vejo ao espelho, não me sinto obesa, sou saudável, e considero-me uma pessoa realizada a vários níveis. A verdade, é que desde tenra idade que ouço chamaram-me gorda,cheinha,que devia fazer dieta...e a minha resposta sempre foi, "Eu sou é Fortemente Elegante!", a verdade, é que muita vez magoa ouvir este tipo de comentários. Verdadeiros murros no estômago, que nos fazem pensar e que criam dúvidas.É preciso dar a volta por cima, aceitarmo-nos como somos e seguir em frente.

**SOFIA** disse...

eu sempre fui do tipo escanzelada e sempre me habituei a ouvir comentários. dos conhecidos entrava a 100 e saía a 200. dos amigos e familiares irritava-me mas tinha que aceitar. aprendi a aceitar.
agora ainda tenho uns kgs da gravidez mas sei que os vou perder mais cedo ou mais tarde, a não ser que o facto idade seja mais forte... a verdade é que há dias vi-me numa fotografia do ano passado e não gostei do que vi, aliás, nunca gosto de me ver nas fotografias, isto porque estou sempre muito magra, como todos dizem.
nunca devemos ignorar as pessoas que gostam de nós.

Ana Lemos disse...

ahaha...muito bom e realmente é verdade sáo se fala do nao digas aos gordinhos mas ser magro muitas vezes é tambem um problema e ninguem o vê dessa forma e toca de mandar bitaiques a alto e bom som...
Muito bom:))

Maria de Lurdes disse...

Obrigada pelos vossos pontos de vista! Realmente não se costuma ter a noção que comentários inapropriados vêm em todos os tamanhos e feitios...

Beijo a todas!

Anônimo disse...

Gosto muito do seu blog, costumo visita-lo regularmente. Nunca tinha comentado mas hoje não resisti. Comigo isso também acontece, dizem que estou magra e blablabla mas sempre o fui. Além disso, COMO BASTANTE (bastante é pouco, diga-se de passagem) e, quando as pessoas estão comigo na refeição, perguntam como é que é possível comer tanto e não engordar..
Por vezes é aborrecido comentários do género "devias comer mais".. Como se já não comesse o suficiente! Simplesmente, não engordo e gostaria de o fazer, claro, não tinha problema nenhum em ganhar mais uns kilos.
Mas há pessoas que dizem para não me preocupar com isso, cada um é como é e o que interessa é ser-se feliz :)

Felicidades para o blog e para o seu filho (que é amoroso!)

Beijinhos,

de uma futura educadora de infância*

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...