INQUÉRITO!!!

Um pouquinho do seu tempo, posso?

Responda a esta pergunta sobre o que gosta de ler neste blog, aqui:


OBRIGADA!!

sábado, 29 de maio de 2010

Anca Gate

Há sensivelmente uma semana lamentava amarguradamente a má sorte das minhas ancas. Chegou a hora de discorrer sobre o assunto. Aqui vai.
Há algumas semanas atrás, num giro com a minha irmã pelo Shopping local (bastante controlado e em modo gincana, porque ela nunca teve a minha pachorra e agora com a Rica Sobrinha II já não tem o mínimo tempo para andar em banhos de loja... oh well...) mostrei-lhe as novas calças especial mamã da Salsa e comentava que o conceito é perfeito, tu compras as calças, usas antes, durante e após a gravidez, ainda tens opção de cintura Britney-em-tempos-áureos ou cintura normal, enfim, só vantagens, dá para mamãs, como não mamãs, toda uma vida, desde que não engordes como uma lontra, espectacular, não?
Não. A minha irmã foi categórica: as calças ajustadas ao corpo (como seja calças de ganga daquelas ideais) que se usam antes da gravidez não aguentam uma gravidez inteira, nem um pós parto. Para atingir o objectivo proposto, as Hope da Salsa só podem ser compradas durante a gravidez para se ter a certeza que servem nessa altura e no pós parto. Depois do corpo voltar ao normal ficam largas,temos pena, passam a servir apenas como lazy jeans, não umas Salsa a sério.
- Mas tu não estás a perceber, o cós sai, tem um zip, a barriga toda e mais alguma cabe, dá para sempre.
- Mas tu estás a esquecer as ancas, elas alargam imenso!
- Não se tu engordares pouco. As tuas ancas não devem ter alargado nada, ou pelo menos não o suficiente para as calças não te servirem.- A minha irmã é pin thin e assim se manteve.
- Olha que as ancas alargam e não tem nada a ver com peso ou gordura, vais ver só!
Estava a praga rogada. E eu nem sabia, continuava na minha inocência...
Acontece que de facto as minhas calças cada vez andam mais desapertadas, todas desbragadas, no maior improviso o tempo todo. Mas era só isso e era só por causa da barriga. Faltava-me o tal cós maravilha que sai por artes mágicas, à la Salsa Hope. Pensava eu.
Até o dia (precisamente no fim-de-semana passado) em que resolvi fazer uma rusga no guarda-roupa e fazer desaparecer temporariamente da minha vista não só a roupa de Inverno, mas já agora também a roupa que não me servisse durante a segunda metade da gravidez. Pois é, já vou a meio, caturreira!! Continuando.
Resolvi então experimentar as minhas saias, só para ver se a barriga as deformaria ou empurraria muito para baixo, enfim, ver como ficavam. Infelizmente eu vi logo como ficavam ainda as saias (TODAS) mal passavam da meia coxa. Ou melhor, NÃO passavam da meia coxa. Oh diabo, então mas o que é isto? Então mas o raio da saia nem da anca passa quanto mais à cintura chega? Então mas o que é isto?
Fui ver-me ao espelho. Tive de inspeccionar a zona afectada, o que se estava a passar por ali? Parecia tudo normal, aparentemente... Talvez a minha percepção de proporcionalidade estivesse afectada pela barriga crescente, mas a verdade é que as minhas ancas não pareciam muito diferentes, seguramente não o suficiente para não deixarem passar as saias desapertadas por elas, ou deixarem apenas após luta cerrada e sanguinária! Além disso eu acho que ando a engordar relativamente pouco, em 20 semanas quase quatro quilos, e eu bem os vejo na barriga!
Mas o facto é que boa parte das saias, traindo as minhas melhores expectativas, foram parar ao gavetão e sobraram apenas umas poucas que lutam ainda e por enquanto contra o alargamento de território. E muitas calças também foram parar ao gavetão. Curiosamente as calças deram ainda assim menos luta porque ficam pelas ancas mesmo, de lá não passam e já andavam desapertadas há muito tempo, não foi a mesma surpresa das saias.
Enfim, fiquei destroçada. A minha irmã tinha razão, eu estou alargada. Posso não estar gorda, mas estou alargada. O meu único consolo reside no facto inevitável e inadiável de me ver totalmente forçada a comprar AINDA mais maxi dresses, calças largas e saias boho chic para repor o meu stock de alternativas. Afinal de contas uma rapariga não pode andar nua ou sempre com os mesmos trapos, não é? E como eu luto contra excesso de roupa de maternidade e sobretudo contra o 38 e M no meu armário (porque eu vou voltar a caber em toooodas as minhas saias e calças, era o que faltava nunca mais voltarem a servir...) e não cedo assim à primeira, as alternativas não são muitas. Vou ter de passar muitas horas nas compras, que chatice...
De qualquer forma, oh Quadril querido, se me estiveres a ouvir aí ao longe, que as tuas extremidades quase chegam a Morrocos, o parto, se tudo correr bem, será daqui a 20 semanas no máximo, mas não precisas de alargar já tanto e tão cedo, ok? Anquinhas de mi corazón, aguentem os trabalhos de dilatação mais alguns meses, não me façam passar vergonhas este Verão, já bem me basta os litros de celulite que vocês alojam como se fossem órfãos à chuva e frio em noite de Natal, deixem as minhas roupas em paz e a servir os seus nobres propósitos de cobrir e enfeitar, pode ser? A gerência agradece.

Stylish moms

Clicar na imagem para aumentar (ainda será preciso fazer este aviso?).
Imagem daqui

terça-feira, 25 de maio de 2010

Ouvi a flauta transversal e também um oboé... Essa parte não percebi, mas entre oboé e flauta não se mete a colher. Ouvi apenas algumas escalas, pouco mais e por pouco tempo, entretanto também ouvi o choro leve do bebé, mas foi o suficiente para me deixar muitíssimo bem disposta!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Globos de OIro 2010: As Piores (mas o melhor da festa, hurra!)

Para começar, devo confessar que este ano pareceu-me (pareceu, mas não arrisco com a certeza...) que as meninas não se estamparam com tanta violência como em anos anteriores... Não havia tanto frango de churrasco (vulgo abuso do autobronzeador), não havia tanto arremesso mamário, não havia tanto cabelo acabadinho de fugir do manicómio. Ainda assim, festa tuga prima pela decadência e falta de gosto, viva! Aqui fica o melhor do pior, na minha sempre humilde opinião:

Há certas instituições que nunca falham no departamento dos horrores, nem que seja pela longevidade secular dos seus feitos assombrosos: Lili Caneças, Florbela Queirós e Paula Bobone. As senhoras são LOUCAS e nós gostamos de delas assim, não mudem nunca, pá! A Lili não me apeteceu pôr aqui, ela já aparece tanto, que barrei a entrada dela neste estabelecimento (há sempre uma primeira vez para tudo, por esta não contava a senhora, hã?), mas a Florbela e a Bobone, ai minhas senhoras, façam favor, por quem sois! Obrigada por tornarem estas festas sempre um acontecimento memorável, obrigada, a sério. Lindo, fantástico. E os gays delas? Que moderninhas, suas doydas!

Esta senhora tinha uma estratégia, que tinha. Reparem, ela queria que o pessoal pensasse que ela fazia lembrar a Charlize Theron, assim de uma forma subliminar, sem que se soubesse bem porquê... No entanto, um olhar mais apurado sobre o belo estampado do seu vestido deixa a nú as suas intenções: a malandra estampou a cara da Charlize no seu vestido, pensando assim que chegaria lá! Ledo engano minha cara, o facto de ter uma cara estampada a preto e branco no seu vestido não faz com que se pareça com o sujeito estampado, faz com que o vestido fique irremediavelmente perdido para o mundo!
Descobri algo mais piroso do que ser mulher de jogador de futebol... É ser "esposa" de treinador de futebol! Eis a confirmação da minha descoberta macabra: A Senhora do Tóni e a do Jesualdo, lindas como o Sol!

No ano passado a actriz Sandra Barata Belo parecia que tinha acabado de sair de uma lavagem de carros automática. Quem não se lembra do seu cabelo lambido a parafina líquida e repuxado para trás sem dó nem piedade? Pois este ano, a rapariga meteu mais uma moeda no car wash e desta vez chegou à fase de secagem. Mas nem por isso a coisa correu melhor, ai não! Vai-te pentear.

Eu ODEIO apaixonada e violentamente essas tiras meio hippies, meio índias, meio idiotas que algumas lesmas pespegam na cabeça e chamam de cena cool. ARGH! Além de que as ditas tiras são tão 2009, poupem-me... A sério, de cada vez que vejo esta criatura, nem reparo que o vestido é sofrível, só me apetece arrastá-la pela fita até o espelho mais próximo e obrigá-la a uma reflexão profunda, por mais que isso pudesse curto-circuitar os seus poucos neurónios...

Coitada da Carolina Patrocínio, ninguém deixa a miúda em paz, tem sempre direito a crítica. Desta vez, o problema não é o vestido, que até é bem giro, nem é o decote, que tapa bem o buraco que tem entre as mamocas, nem é o bronze, que já ninguém liga ao seu eterno tom Frango da Guia. O problema desta vez, para mim, é a pintura de guerra: por cima de bronze tão bronzeado, um anti-cerne tão claro tinha que dar asneira... Resultado: negativo de guaxinim, branco à volta dos olhos, preto no resto. Temos pena.

Toda a gente sabe que o Zé Figueiras é bem casado com uma senhora austríaca. Quem nunca ouviu e desesperou com o seu cantar tirolês? Por isso ninguém precisa de ter a confirmação da origem da senhora, podendo a humanidade ter sido poupada à sua versão da valsa vienense em fim de noite. Obrigada pela preocupação, mas não obrigada.

Esta senhora não está vestida de forma ridícula, não. Ela é uma intrépida exploradora que descobriu, caçou, esventrou e usou como vestimenta uma espécie rara de porco espinho gigante que come cogumelos alucinogénicos. Sempre a aprender, sempre a descobrir coisas novas.

A mãezinha desta menina resolveu baptizá-la com o nome de Oceana. Espero que a história desta menina seja esta, porque se Oceana for seu nome de guerra por si própria escolhido, estamos ainda pior. Ora, a mãezinha desta menina Oceana deve estar que nem pode. A sua filhinha resolveu fazer uma sentida homenagem à sua progenitora e resolveu disfarçar-se de si própria, com direito a ondas ondulantes e azul a perder de vista. Good grief.

Basta ver dois posts abaixo para ver o quanto sou fã de tons nude e skin, mas non tropo! Eu comecei a ver o vestido e ia tudo bem até à quarta sobreposição de drapeados. A partir daí, já era, oportunidade perdida, chega. E é assim que se passa num instante de um post a outro, como a vida é dura...

Há certas coisas a que uma mulher grávida devia ser poupada. Depois de tanto cetim, tanto folho, tanta volta, tanto lilás, como querem que não fique à beira do vómito? Não dá para aguentar!

A desilusão da noite. Sofia Carvalho, na minha opinião uma das mulheres mais bonitas de Portugal, é sempre um exemplo de bom gosto e um colírio para os olhos. Desta vez, porém, a colcha roubada à última renovação do Querido Mudeia a Casa deixou a directora da Sic Mulher mal e a mim ainda pior... Não gostei da textura, do comprimento, do volume, do decote assimétrico... Pena...

Mais um valor seguro dos Globos: a comitiva de serviço do clã Aveiro. As manas Ronaldas e mais umas amigas ou familiares, whatever, todas pirosas, pirosonas, exemplo supremo de que dinheiro não compra bom gosto. Sejam bem-vindas, sempre!

O decote mais prusti da noite. Isto custa-me escrever, afinal de contas este vestido tinha tudo para ser feliz comigo, da cor, às pedrarias, mas aquele decote buraco de fechadura, aberto à máxima potência... não dá, sorry. E para que não duvidem que este decote é um desastre sempre à espreita, aqui fica o que pode acontecer à doce menina pelo simples facto de se sentar...

Pois é, não pode ser... Mas quase foi, quase!

Para acabar em beleza, nada como dar uma olhadela no rosto lindo da Taís actriz-de-novelas -brasileiras. Não gostei do vestido, muito dama antiga, muito Chiquinha Gonzaga, mas ao pé do sofrimento bem disfarçado da pobre, nem me atrevo a tecer comentários, apenas faço um apelo sentido:

- Taís, garota, minina, guria, gatxinha, fofura, COITADA de você, olha quem txe pegou? Quem é essa jararaca, coisa feia, essa praga que grudou no teu pé e não txe larga não? Olha que isso não é Portugau não, olha que em Portugau há muita gentxe bunita, não é tudo assim temporal, vixe maria! Cai fora garota, se salva desse trubufu!

Globos de Ouro 2010: Especial Mamãs

Ah, a maternidade... Não sei se é de estar mais sensibilizada para a temática, não sei se será por ser o novo preto, o facto é que o melhor acessório deste evento foi uma barriguinha de grávida!

Aqui ficam os meus pensamentos profundíssimos sobre as grávidas e recém-mamãs desta noite cheia de magia e glamour:

Começando pela brasuca Flávia, de uma qualquer novela, que se apresentou neste certame com um distinto ar europeu que chegou a roçar o puritano (minina, ontem teve uma noite dje calor abafadjídssimo, você num precisava dje ter usado um xaile não...). Deve ter sido isso que lhe valeu a recém atribuída dupla nacionalidade, apesar de ela querer ser da Europa meismo, para Portugal nem precisava caprichar tanto, né? Certo é que foi a mais elegante entre as grávidas e uma das mais elegantes da noite. Valeu!



Aqui temos o especial Babá: take um, dois e três. Ao lado da Flávia, ganha a Flávia, sem dúvida, só no departamento do cabelo, de nada vale à Babá o pêlo eriçado, less is more, Flávia fofa, dá-lhe com a barriga e chega prá lá! O take dois foi muito Frida Kahlo, mas acho que foi o que gostei mais, não tanto do espanta espírito, mesmo porque roubou o pescoço à doce Babá, mas mais dos ombros marcados, do leve tom gótico da coisa. Sim, gostei... O take três pareceu mais giro ao vivo do que em foto, lá está, deve ser do tom nude, apesar de este já ser mais escuro e o tecido... argh, prefiro não olhar, fico com a lembrança da TV, não vou mexer mais nisto.

Para recém-mamã, a Cláudia Agora-não-me-lembro-do-resto, está um arraso de magra (apesar da saia ter passado a noite com o gato da casa e o corpete estar mal feito- horrível!), não sei se deixou de comer, se dá todo o leitinho que tem dentro de si e mais algum à sua cria, certo é que está fabulosa! Dá-me o contacto do diabo, se foi um pacto com ele que fizeste; se andas a fechar a boca a mais do que alface, oh well, eu e as minhas ancas cá nos arrastaremos por muitos e longos anos...

Outra recém-mamã, não tanto mas enfim, a Fátima Lopes, é o exemplo acabado do mal que pode correr um decote assimétrico: o vestido tinha tudo para dar certo, a cor, o drapeado, o caído, os brilhos, mas aquele decote tão subido, a apertar o suvacon, a esmifrar as mamocas todas, estragou tudo. O que também estragou tudo foi a sinhora ter-se feito acompanhar do seu gay, o "criador" desta maravilha, que estava oh tão lindo com o seu fato de pijama... Inovador e confortável, ao menos isso, oh João Rôlo, você não brinca em serviço e guarda o melhor de si para si, é tremeeeeendo, fofo!

Das meninas do Fama Show temos sempre direito, quer queiramos quer não, a muita vivacidade, muito glamour, muita vibração, muito sexy, muito... já estou cansada, chega de tanto show, vamos aos factos: gosto (mas não conta porque já falei abaixo e ainda se mantém ao largo destas lides da maternidade, assim também eu), não gosto mas bom para você por já estar tão em forma mamã (ok, acho HORROSO, o degradée em azul Caraíbas, com as pedrarias nas ancas e o bronze do costume, mais a pulseira de pôr na parte do cima do braço que vá lá não se vê, mas que eu sei que estava lá, porque ficou gravado na minha memória a ferros ferventes, tudo horrível, blherc), gosto mais ou menos (não conta porque também não é mamã e o que tinha a falar sobre ela, vide abaixo), gosto muito (boa grávida!, da maquilhagem, ao vestido, passando pelos cabelos, touché!), e ya, whatever, who cares.

Last but not the least, a mais horrorosa de todas. Ok, a menos bem conseguida de todas... Não, bolas, ela podia fazer melhor e estava muito orgulhosa desta monstruosidade, é a mais horrorosa de todas, SIM: Rita, você é petite e está grávida, flores laranjas gigantescas em fundo branco com decote assimétrico especial suvacon a tapar tooooda a zona mamária (à la Fátinha), não dá! Tanto tecido deixa uma pessoa sufocada, eu se estivesse assim vestida era só afrontamentos, não deve fazer bem ao neném... Para a próxima faça melhor, faz favor...

E assim foram as maravilhas da maternidade para os lados dos Globos, tcharan.

Globos de Ouro 2010: As melhores

Ah... nada para fechar um fim-de-semana ao melhor estilo tuga, cheio de calor, praia, treinos da selecção nacional, frango assado e tremoços, do que uma passadeira vermelha recheada de peruas, modelos, wanabees e vá, algum estilo: os Globos de OIRO, pois então! Lá me alapei no sofá a tirar notas mentais e hoje, após proceder ao corta e cola (que isto os senhores da Caras e da Sapo não faciltam a vida e temos de fazer malandrices para fisgar as pics), aqui temos o melhor da festa. Não, não são os discursos, não foi espectáculo (ui, do mais deprimente), são mesmo as vestimentas!
Comecemos pelo menos doloroso, pelo mais agradável à vista, pelo mais fácil, para aquecer: eis as melhores!


Se não me falha a memória, no ano passado a menina Diana Pereira não esteve lá essas coisas, mas este ano redimiu-se. Adoro os brilhos e é dos poucos decotes assimétricos (que inundaram este ano) realmente bem conseguido. Congrats, darling!

Eu adoro os tons nude, cru, skin, que têm estado tão na moda. Este ano muitas meninas usaram, e, embora algumas tenham abusado, em geral o resultado foi muito bom. O meu preferido é o da Maria do Pedro Reis, de trás então é uma maravilha. Morri ao vê-lo! Um reparo para o ar desconsolado da Raquel Prates, esta última menina (tão pálida, fofa), uma das mulheres mais elegantes de Portugal, que mais uma vez não me deixou ficar mal, apesar de o vestido ser estranho. Ainda assim eu gostei, tem um toque edgy, gostei.

O vermelho não é a minha perdição, porque é sempre arriscado, certo é que uma lady in red, se não ficar pelo hooker lady in red, só pode ser uma mother fucker drop dead on you knees lady in red, epípeto que estas duas senhoras conseguiram atingir em cheio, os meus parabéns!

Esta menina também merece estar aqui, apesar de lhe ter faltado um bocadinho assim. De facto, com um danoninho nos saltos, o vestido não teria ficado com a baínha tão descida e teria tudo sido oh tão perfeito. De qualquer forma, desde que não tenha tropeçado no vestido e não tenha puxado o dito cujo pondo a descoberto as mamocas (que momento de entretenimento puro teria este sido, meus senhores!!), tudo terá corrido bem.

A menina Liliana foi uma das mais bonitas das papoilas saltitantes Fama Show, apesar de ser fácil conquistar-me com brilhos, caído liso e branco... gostei da sua elegância, do cabelo fresco, muito bonito.

Eu não tendo a gostar de preto porque me parece sempre a solução mais básica, mas há pretos e pretos. A menina Vanessa Oliveira, das papoilas saltitantes do Fama Show, era uma das minhas preferidas por causa do preto brilhante (ah, os brilhantes, os brilhantes...), só ficando um pouco naquela por causa do decote tipo buraco prusti com o qual tendo a irritar-me, apesar de o dela ter sido infinitamente melhor que o da Sofia Cerveira (mas isso fica para outras lides...). Quando vi esta menina Érika, encontrei o que buscava, um preto brilhoso, mas sem a parte prusti. Lindo!

E pronto, foram estes os meus preferidos, se entretanto encontrar outros, cá voltarei...

domingo, 23 de maio de 2010

Pensamentos

As minhas ancas estão tão largas que qualquer dia eu dou um salto e o baby cai.

As minhas ancas estão tão largas que ocupam longitudes diferentes.

As minhas ancas estão tão largas que tenho de mandar vir com elas de megafone.


Mais tarde desenvolverei estes pensamentos, agora vou para a praia, aproveitando o facto de as minhas ancas ainda caberem entre dois paredões. Pelo menos ontem cabiam, hoje sinceramente já não garanto...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Cannes para Grávidas

O festival de cinema, quase tão conhecido pelos filmes que passa como pelas roupas MARAVILHOSAS que vê passar, acaba lá para 23 de Maio, mas fico já com as minhas escolhas de vestidos para usar agora mesmo, é que é JÁ!



quinta-feira, 13 de maio de 2010

Os meus snacks (Saudáveis!!)

Há alguns anos atrás eu comia muitas bolachas. Gostava especialmente das Corintias da Triunfo e das Chips Ahoy, as que têm pepitas de chocolate. Até que fui introduzida à encarnação do mal, a chamada Gordura Vegetal Hidrogenada, ou Parcialmente Hidrogenada, ou Trans Fat. Não vou pôr-me aqui a falar sobre esse tipo de gordura, cliquem nos nomes feios para irem parar aos sites que explicam tudo sobre os malefícios desse ingrediente totalmente artificial e mortífero.
Eu fiquei chocada da minha vida e comecei a procurar nos rótulos dos alimentos processados que comia a tal da gordura vegetal hidrogenada. Ainda mais chocada fiquei. Em 2005-2006 posso assegurar que não havia UMA ÚNICA marca de bolachas no supermercado local que não tivesse gordura vegetal hidrogenada, nem as bolachas integrais ou dietéticas se safavam, nem uma. Bolacha Maria tinha trans, NEM UMA SE SAFAVA. Batatas fritas, gelados, refeições prontas congeladas. Tudo tinha gordura trans. Se havia pecadilhos esporádicos aos quais não dizia não, facto é que cortei com imensas coisas habituais, nomeadamente as bolachas e as batatas fritas. Não consigo ler o rótulo dos bolos e comida fast food (e sem que seja fast, há imensos restaurantes que usam gordura vegetal hidrogenada), mas sempre conseguia ler os rótulos do que comprava no supermercado, era alguma coisa.
No entanto, com o abrir dos olhos dos consumidores (ou melhor, com a informação dispensada sobre o assunto que alguns consumidores começavam a apanhar), as grandes marcas lentamente começaram a dar a curva. Por exemplo, a Matutano, que de parva não tem nada, foi das primeiras a mudar os seus ingredientes. De batatas, gordura vegetal hidrogenada e sal, passou a batatas, óleo vegetal e sal. O sabor e consistência é o mesmo, mas se efectivamente mudaram o ingrediente nefasto, faz toda a diferença. As Lays voltaram à minha vida! Assim também vai acontecendo a pouco e pouco com outras marcas, que não são necessariamente movidas pela preocupação com a nossa saúde, mas com o mal que lhes fica fazerem alimentos tão descaradamente maus. A alimentação saudável está na moda. Ganhamos nós. E eles também porque abrangem um novo mercado, apesar de a esmagadora maioria do pessoal continuar imerso em gordura vegetal hidrogenada. A procura não trans ainda é pequena, mas cresce. Entretanto também começaram a pipocar bolachas sem gordura vegetal, poucas, poucochinhas, mas a verdade é que das bolachas tinha desligado, preferia outras porcarias. Eu sou muito dada a porcarias, mas sempre leio o rótulo! Santa incongruência... Mas gordura vegetal ao largo.

Agora que estou grávida voltei em força às bolachas, são o melhor para ter no escritório, para levar em viagem, para acompanhar um leitinho, para matar a fome num instante. Ninguém deve viver de leite condensado, batatas fritas e amendoins, tenham ou não gordura vegetal hidrogenada, portanto umas bolachinhas sabem bem e não fazem mal, conquanto não se abuse...Estas são as minha preferidas, encontram-se em qualquer supermercado, até no merceeiro local e apesar de sequinhas, não são sem graça e valem a pena pelo valor nutricional e sobretudo pela ausência de ingredientes tão nocivos.
Eu não me considero fundamentalista da alimentação saudável, longe disso! Cedo muito facilmente à tentação e sou demasiado gulosa para ser 100% saudável, mas no que posso, no que está facilmente ao meu alcance, no que o meu supermercado habitual me puder oferecer de melhor, eu aproveito. Se daqui ficam com um conselho, seja este: LER SEMPRE OS RÓTULOS, SABENDO O QUE SE DEVE EVITAR. Nem que seja com o susto do que se lê, alguma coisa volta para a prateleira e escolhemos algo melhor.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Este ano tenho visto (muito) menos vestidos compridos do que o ano passado. Maxi dresses, daqueles mesmo a rasar o chão. O que é uma grande chatice, não só porque eu gosto muito deles por si, mas também pelo que faziam por mim, pelo jeitão que me davam e sobretudo pelo jeitão que me iam dar este ano...

Oh well, quem não tem cão caça com gato. Vai ser mais chato para contornar o futuro barrigão, mas cá nos safamos...


Na Zara mais próxima. Espero eu...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...