INQUÉRITO!!!

Um pouquinho do seu tempo, posso?

Responda a esta pergunta sobre o que gosta de ler neste blog, aqui:


OBRIGADA!!

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Porto Santo

Hoje foi dia de nos fazermos à estrada e dar uma volta a esta linda e bravia ilha que nos está a acolher tão bem nestes dias. Andar de carro para ir à praia, em plenas férias, é cada vez mais a excepção, não há nada melhor do que dormir com o pé na areia e ter a praia, as ondas, o dia de verdadeiro descanso à distância de passos. O Porto Santo, mais uma vez, nos dá isso e muito mais de mão beijada, a praia é linda, longa, calma, a água cristalina e deliciosa, o feeling muito bom, muito zen. Não há pressa para nada, os únicos relógios são os tempos dos miúdos, que se esticam, mas não podem mudar muito, para bem deles e nosso bem.

Mas a manhã de hoje foi de estrada e umas luzes sobre a ilha. Uma volta de jipe e fez-se o reconhecimento da ilha, conhecemos as peculiaridades, os usos, as dificuldades, as belezas. Vi o azul e verde cristalinos do mar, todas as tonalidades das rochas, os amarelos e ocres e castanhos da terra, das casas, da areia feita de coral. 
Achei um piadão à "falta de originalidade" nos nomes dados às coisas. parece que por aqui não se quer rotular nada, isso dos nomes é para pôr no mapa, não serve para comer, plantar ou viver. Querem nomes, nós damos, não seja por isso: temos o ilhéu de cima, ilhéu de baixo e o ilhéu de fora (tudo com maiúsculas, perdoem o meu telemóvel..), temos a Serra de Dentro, a Serra de Fora, o Campo de Cima, o campo de Baixo, temos a capital, que até ser cidade foi Vila do Porto Santo, depois de passar a cidade passou a ser Vila Baleira, mas que para quem cá vive e lá vai, será sempre a Vila, ou melhor "ir lá abaixo". Para quê complicar? Ainda para mais, se tudo é belo, inóspito, bravio, basta sê-lo, não compliquem. 

A Madeira não se via, mas não estava longe... O lobo marinho já não é para mim...

O sonho de qualquer geólogo. 


O lado mais bravio, a norte. 

Tempos difíceis, de antigamente, em que o Bolo de Caco se fazia de três em três semanas porque não havia lenha para menor intervalo. E a bosta de vaca era um combustível cujo roubo merecia castigo severo. 

Pormenor lambarice e que me vai deixar grandes saudades... Encontrei nos biscoitos de mel do Porto Santo as melhores Corintias de sempre, que não comia há anos com grande desgosto por causa das porcarias que leva. Trago comigo umas doses para o continente, mas ficam já as saudades... 

Um comentário:

L. disse...

vivo na ilha ao lado, Madeira. E digo-te que essa minha ilha vizinha é mesmo um paraíso. Tive o prazer de passar um mês e meio no Porto Santo, pois estive em estágio no Centro de Saúde.
É sem dúvida uma ilha maravilhosa e o fato de não dependermos do carro para tudo é espetacular (isto claro, se tivermos o privilégio de ficar na Vila) :)
Ainda bem que gostaste! Beijinhos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...