segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Os avós



 O meu filho tem a felicidade de ter os quatro avós. Tem ainda mais sorte: os avós são e estão ótimos, ativos, cheios de genica e modernidade. Maior sorte ainda: tem bisavós. Duas. Uma velhinha bem velhinha, cheia de rugas e com as costas arqueadas. Outra velhinha “chama-isso-a-outra”, enérgica, espanada e rija.
Os avós (e bisavós) são uma preciosidade que devemos acarinhar: os nossos têm a paciência, a sabedoria, o tempo, a vontade, a bondade para estar com os netos e ser a retaguarda dos pais.
Os avós ideais são permissivos sem se deixarem atropelar, são mimadores infinitos, estão sempre de braços abertos para os filhos dos seus filhos.
Os avós e bisavós são o mais próximo que esta nossa sociedade moderna tem dos sábios anciãos da aldeia, dos senadores, dos druidas.
 E, nestes dias de crise e trabalho que não dão tréguas, ter um avô disponível para ajudar os pais é um tesouro a estimar e aproveitar. A quem mais podemos nós confiar os nossos filhos tão tranquilamente senão naqueles que nos criaram? A quem mais podemos querer emprestar ou mesmo confiar o papel que é nosso? Tomar conta dos filhos, ir buscá-los à escola quando os pais não podem, dar-lhes o lanche quando a mãe ainda não chegou, levá-los a passear quando os pais estão ausentes, ensinar-lhes aqueles mesmos valores que já tinham sido passados aos pais, desta feita revistos e atualizados à luz de décadas de prática e suavizados pelo passar dos tempos. 

É certo, nem tudo é pacífico… Às vezes apanhamo-nos na contingência de desautorizar os nossos pais porque eles estão a desautorizar-nos enquanto pais, alguma vez alguém imaginou isto? Ter de ser necessário, de ser feito? E no entanto tem…
Às vezes podemos interrogar-nos, de onde saiu aquele senhor que faz macacadas sem nexo (e sem parar!) ao nosso bebé? De onde surgiu aquela voz que diz que não faz mal nenhum a menina comer mais um chocolate? Como é possível que a avó não veja mal em acordar o menino para lhe dar um beijinho? Onde estão os nossos pais e o que lhes fizeram estes senhores que agora não querem saber de nós para nada, apenas querem saber do netinho querido e de quando o voltam a ver? De onde saíram estas pessoas que às vezes não reconhecemos como os nossos próprios pais?
Saíram do mesmo amor que nos criou e que agora está descansado, já não tem de criar ninguém, agora só lhe cabe mimar, amando-os tal como nós amamos e tal como amaram a nós.
Se um avô não exagerar na dose, se – e quanto mais tempo passar com o neto mais importante esta regra se torna – se diferenciar dos pais pela suavidade e permeabilidade, mas não deixar que o netinho ande em roda livre, temos o melhor aliado na educação dos nossos filhos.

Haja um avô para cada neto, presente ou intermitente, para todas as horas ou para as férias.
Haja quatro desses e os possíveis bivós.

9 comentários:

vidasdanossavida disse...

É mesmo verdade! O meu filho tem a sorte de ter a minha mãe super presente, que o vai buscar quase todos os dias à escola e que lhe dá muitos mimos e amor. Claro que já me zanguei com ela, porque às vezes desautoriza-me e dá gomas a meu filho. A outra avó é velhota e doente e ele não tem tanta ligação, mas ainda tem os bivós. Uma super mega bivó de 90 anos que é um exemplo de vida e um bivô que vai ser hoje operado. Só émuita pena os avôs não estarem já entre nós. Acho que um avô faz muita falta e sei que tanto o meu pai como o meu sogro iam ser super avós. Bis

Cat disse...

Olá! Tenho passado por aqui e hoje não pude deixar de comentar este post, tão bonito e que faz tanto sentido para mim que tenho a sorte de ter una pais que são os melhores avós do mundo para o meu filho e para os seus manos gemeos que estão para nascer! Um abraço

Anônimo disse...

Que lindo texto!quase chorei tão emocionada fiquei. Espero ser a avo que sou por muitos e muitos anos e ter a felicidade e o privilegio de acompanhar todos os meus netinhos e filhos.Obrigada e muitos beijinhos.Ao dispor.
Lena

Elix disse...

Lindo e muito verdade! Que os hajam...

mae.feliz disse...

Simplesmente ADOREI! Que homenagem tão linda aos avós...concordo em pleno!!!
Um beijão a todos os avós e um muito especial para a minha <3

Melancia disse...

tenho sorte, muita sorte no que toca avôs e avós para o Diogo. os 4 presentes, a morar perto, disponíveis e cheios de vontade e mimo para dar! mais sorte ainda, por ter umamãe que gere o seu próprio horário d etrabalho e me fica com o rapaz em vez dum infantário. tenho a sorte duma sogra que para tudo para ficar com o menino, a sorte dum sogro que sai do trabalho mais cedo para o ir buscar e a sorte (controversa) dum pai que só he ensina asneiras! Mas o melhor mesmo é ver a alegria do Diogo de cada vez que vê qualquer um dos quatro, fica doido! e depois tenho a sorte do rapaz adorar ficar numa casa ou noutra durante a noite, a tarde, o tempo que for para quando os pais precisam! Não é por acaso que já tenho outro a caminho...

S* disse...

Tão bonito... eu já só tenho as duas avós, mas são figuras que respeito e admiro. Especialmente a avó materna, essa é uma segunda mãe.

Anônimo disse...

Adorei o texto. Passo por aqui com frequência mas desta vez tive que comentar. De facto os avós são muito importantes para as crianças e a minha filha tem a sorte de ter os 4 avós que amam e adoram ficar com ela.
Eu própria recordo os meus avós com muito amor, só conheci os meus avós maternos e recentemente perdi a minha avó que era uma mulher maravilhosa.
Bj

Lili (http://vidali.blogs.sapo.pt/)

Raquel disse...

Os meus filhos também têm a sorte de ter os 4 avós para lhes dar miminhos e ficar com eles! E uma bisavó! :-) adoro a relação que eles estão a criar com os avós!!!
Adorei o texto! :-)

Beijinhos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...