INQUÉRITO!!!

Um pouquinho do seu tempo, posso?

Responda a esta pergunta sobre o que gosta de ler neste blog, aqui:


OBRIGADA!!

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Mi Blog es tu Casa


Hoje trazemos ao Blog uma situação que é conhecida de cada vez mais mães, de cada vez mais famílias, que têm de lidar com a nova emigração dos últimos tempos, a de jovens adultos, jovens pais de família, formados e que tinham tudo para dar certo em Portugal, mas que têm de agarrar melhores oportunidades no estrangeiro, por falta de opção ou por falta de opção que faça face às exigências da vida. E tudo se complica quando têm de ficar para trás filhos pequenos, que queremos ver crescer todos os dias e a família que se constrói fica separada, ainda que não por muito tempo. É sempre tempo precioso de que se pode saber, o qual se pode ver em primeira mão (viva o Skype e as tecnologias que o permitem!), mas não se podendo tocar, mudar, influenciar directamente, são sempre tempos meio vividos, que nos escapam um pouco, ou muito. Aqui fica o relato em primeira mão:

Em Janeiro de 2012 fiquei sozinha com a minha bebé de nove meses, pois o pai emigrou para Angola. Passámos a ser as duas para tudo. Felizmente que o meu trabalho é a 5 minutos de carro e a creche fica mesmo ao lado deste. E felizmente, que a avó tem disponibilidade para ir buscar a neta à tarde.
No início foi a adaptação à ausência e era uma novidade, depois as férias e estávamos radiantes pela união, e a seguir à reunião vinha a separação, que já sabíamos com o que esperar, cada vez as separações eram mais difíceis.

Até aos doze meses, a nossa bebé se adaptou bem à ausência do pai, apesar de que falava e via-o todos os dias pelo Skype. Aos dezoito meses, após as férias em Outubro, já chorou ao vê-lo ir embora, e no Natal, decidi-me a não ir levá-lo ao aeroporto. A bebé de nove meses passou para os vinte e as reacções via Skype, telefone, ausência e presença também cresceram. Quando em férias, mal o pai se ausentava para ir levar o lixo, por exemplo, chorava.
Nós da nossa parte, nunca chorámos, nunca desesperámos e sempre fomos andando e vendo e vivendo, sem dramas (porque o mercado de trabalho a isso nos obriga).
Para mim nunca foi complicada a logística (bebé, trabalho, casa), pois a minha filha é daquelas sempre bem disposta, que come sempre bem e que dorme sempre a noite toda na cama dela, sempre! Neste tempo todo que passou raramente ficou doente e só apanhou as doenças “normais” de bebés. Eu só pus baixa uma vez e foi um dia. Esta fase maravilha da minha bebé foi até aos dezoito meses, depois passámos às birras (como é de esperar) e claro exigiu muito mais de mim, psicologicamente mesmo!
Aquilo que mais me transtornava era mesmo o meu horário, pois nunca saí em 2012, às 18:00 horas. Nunca fui buscar a minha filha à creche, felizmente tinha a avó que lhe dava o jantar. Eu às horas que saía era só ir buscá-la, dar o banho, brincar e falar com o pai via Skype, e depois de deitá-la, a minha hora de jantar era às 22horas.
E neste rame rame do dia-a-dia passou um ano…
Olhando para trás, aquilo que me custou mais foi ver crescer a minha filha sozinha, ela a desenvolver-se e o pai a perder tudo. Foram os fins-de-semana em solidão (apesar da família e amigos sempre presentes). Uma sensação total de viver e não estar viva, simplesmente a aguardar. Porque o tempo passa rápido e logo logo estamos juntos, mas passou rápido, mas não foi aproveitado.
Se do meu lado foram estas as sensações vividas: solidão, monotonia, saudade, do lado do pai foi mesmo: saudade, saudade, ansiedade, ansiedade, MUITA SAUDADE, pois resumindo, para o meu marido voltar era um suplício! Como não houve maneira de nós irmos para Angola, ele decidiu-se a vir embora e retornou em Março deste ano.
Foi um grande esforço da parte dele que compensou financeiramente, mas emocionalmente deixou-o mal tratado. Veremos como nos corre a vida agora… pelo menos agora andamos todos nas nuvens E esperemos que não nos falte trabalho para não nos separarmos novamente.

7 comentários:

Raquel L disse...

É de cortar o coração. Grande Mamã, grande testemunho.

Um beijinho

Rit♥Catita disse...

Revejo-me nas palavras desta mãe. E sei bem tudo o que ela descreve. Já passei por tudo isso. Pelos momentos de solidão. Pela monotonia dos fins-de-semana. Pela tristeza de ver o meu menino crescer sem a presença do pai. Se calhar é por isso que ele é tão ligado ao pai e não o larga.
Finalmente estamos os 3 juntos aqui em Moçambique. Por cá é mais fácil reunir a família porque não colocam tantos entraves para obter o direito à residência. Mas afinal de contas sou uma sortuda porque temos a possibilidade de estarmos juntos.
Mando um beijinho a essa mãe e às outras tantas mães que estão em situações semelhantes.

alva quase transparente disse...

Uns pais coragem por aguentarem esses tempos difíceis. Espero que corra tudo bem agora para que continuem juntos e felizes :)

Parabéns pela rubrica, muito interessante

saudosa disse...

Não sei se agradeço este texto magnífico e esta partilha desta Mãe...

Estou à beira de começar uma separação destas e tenho os olhos rasos de água...

O meu marido, desempregado há 4 anos, finalmente encontrou uma oportunidade... em Angola...

Tenho uma filha de 3 anos que vai sentir muitíssimo a falta do Pai, uma vez que é ele que a vai buscar ao colégio e que fica com ela até à hora de jantar, quando eu chego...

Arranjar trabalho foi muito bom... mas vai ser tão difícil...

sof* disse...

sem dúvida que estamos numa época de grandes sacrifícios e que nos submetemos a esforços que há anos estariam longe de serem reais. é preciso ter espinha para aguentar estas realidades, infelizmente fazemos tudo por dinheiro, dinheiro esse que se traduz na tranquilidade das nossas famílias, mas o preço é elevado...

agora que estão reunidos é olhar em frente e tentar ser criativo com esta dureza que nos rodeia!

Pitú disse...

Esse testemunho tem frases que podiam ser escritas por mim. Passei o ano de 2012 gravida em Portugal e sozinha desde as 16 semanas. Tentamos recomeçar uma vida em Portugal, mas ao fim de uns meses concluimos que agora é impossivel. Entretanto o Gui nasceu e um mês depois o pai regressou a Luanda. Apesar de nos visitar de 3 em 3 semanas, foi duro ficar "sozinha" com o meu primeiro filho. Sem experiencia e com saudades houve momentos que não foram faceis. MAs desde sempre o objectivo estava traçado : voltarmos a ser tres. E este mês, ao fim de um ano e meio regressei a Luanda..Como familia! Nem sempre é facil viver aqui, principalmente com um bebe pequeno, tendo de abdicar de comodidades que tinha em casa, no meu Porto. Mas aqui estamos os três..e só por isso compensa! E fazemos praia, o que ajuda muito :)

O meu relato :http://www.pitugoldendays.blogspot.com/2012/12/put-da-crise.html

ML-As Maravilhas da Maternidade disse...

Obrigada pelos vossos comentários, são o outro pólo principal desta rúbrica!

Beijinhos a todas e muita força

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...