INQUÉRITO!!!

Um pouquinho do seu tempo, posso?

Responda a esta pergunta sobre o que gosta de ler neste blog, aqui:


OBRIGADA!!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O Precedente (?)

A minha opinião sobre o cosleeping já foi amplamente assumida e desenvolvida aqui http://maravilhasmaternidade.blogspot.pt/2012/01/pois-sim.html (em modo esbracejante) e sobretudo e mais a fundo, aqui http://maravilhasmaternidade.blogspot.pt/2012/01/do-cosleeping.html.

Para nós é um big NÃO.

O Pedro sempre dormiu na sua alcofa ou berço, sempre no seu espaço e no seu tempo, mesmo quando dormíamos no mesmo quarto. Sobretudo, adormece sozinho e no seu espaço, sempre. E muito feliz e descansado. E nós també, muito felizes e descansados.

À medida que foi crescendo, de vez em quando, quando estava doente e acordava a chorar muito, ou quando acordava de madrugada quase de manhã (tipo 7 horas da matina), eu trazia-o e tenho trazido para a nossa cama, para estar bem próxima dele (em caso de doença) e para estarmos todos na ronha, a adiar a alvorada madrugadora ou ele colar-se ao Panda tão cedo.
Mas nessas ocasiões ninguém dorme. Além de serem excepcionais, quando está doente estamos mal e não estamos a descansar, estamos a tentar curar, a amaciar o mal-estar. Quando é de manhãzinha, o Pedro vem para a nossa cama com vontade de brincar, de nos acordar, de ir ver precisamente o Panda... se aguentar meia hora connosco, é muito.

Mas esta noite (e já tinha acontecido de forma menos pronunciada há três ou quatro noites) ele acordou mais cedo, lá pelas seis. Choroso, a abraçar-me, a querer colinho. Eu estava a morrer de sono e a morrer de frio, arrancada do meu quentinho e com o mundo inteiro às escuras. Agarrei nele e trouxe-o para a cama. Ele deitou-se imediatamente, entre nós, pôs-se em posição de dormir e nunca mais se manifestou. É que nem um ai. E eu também adormeci imediatamente.
Acordámos os dois, atrasadíssmos, já o pai estava levantado há que tempos, com ele muito amoroso a fazer-me festinhas na cara, um amorzinho de querido. Dormimos umas valentes horas, como se nada fosse.

Foi uma primeira vez, sem dúvida.

Foi diferente de todas as outras vezes. Desta vez ele não brincou a dormir, ele não precisava mais de nós e do meu quentinho do que o habitual. Ele acordou, pediu muito, eu acedi e acabámos a noite a dormir todos juntos, na mesma cama. Como se nada fosse.

Não sei se continuou a ser uma vez sem excepção, não sei se calhou assim, não sei se foi um sonho mau, não sei se foi do frio (NÃO SE AGUENTA ESTE TEMPO, JEEEEEZUS), não sei se foi por estarmos todos constipados...
Sei que foi bom, que me soube bem, principalmente as festinhas mini mini ao acordar, os abracinhos quentes, e que soube MUITO bem a ele, tenho a certeza absoluta.
Já não me parece que continuasse a saber bem se todos os dias de toda a semana fossem assim, se todos os dias eu fosse acordada em prantos para o Pedro vir para a nossa cama, se todos os dias nós acordássemos com o miúdo a ocupar a cama toda, se ele começar a madrugar ainda mais cedo, ainda mais forte, ou se deixar de adormecer sozinho. Se a coisa escalar, portanto.
É que uma vez não faz mal, mas se for A primeira vez, a conversa é outra. Start as you mean to go on. Não comeces a ter um comportamento que não estejas disposta a adoptar para o nosso futuro, esse é um mantra poderoso com a educação Pedro.


Esta não foi uma vez igual às anteriores, não foi mesmo. Esta pode ter sido o precedente. Fica aqui registado, se for caso disso.

Se hoje e nos próximos dias o Pedro não voltar a acordar alta madrugada muito choroso e apenas consolado na nossa cama, tudo bem e fico descansada quando voltar a acontecer e posso voltar a trazê-lo, como tenho feito.
Mas se hoje ou amanhã a história se repetir, ai ai ai ai ai, nem quero pensar. Que estar a consolá-lo na caminha dele, eu cá fora ao frio, com uma camada de um metro de sono em cima e ele lá dentro em prantos, vai custar-me horrores, horrores. Dai-me forças, que eu não sei se tenho...

Logo agora, bebé?

5 comentários:

Isa disse...

Esperemos que não seja um precedente! Se calhar precisava mesmo do miminho!
Beijinhos

Elix disse...

Revejo-me em tudo o que escreves aqui, a nossa princesa só vem para a nossa cama em casos especiais ou para vir "acordar-nos". Nunca aconteceu ela adormecer assim conosco, para vosso bem espero que tenha sido a primeira e ultima, porque compreendo perfeitamente que será dificil deixa-lo na caminha dele caso ele chame e queira vir contigo, eu acho que acabaria por ceder ;)

Maria João disse...

Ora mas isso nada tem a ver com co-sleeping, na minha opinião! Aqui também não somos, nem nunca fomos adeptos dos filhos dormirem connosco. Cada um na sua cama, cada um no seu quarto. No entanto a minha filha mais velha (3 anos) de noite vem ter comigo, mas sabe que não "tem autorização" para ficar na nossa cama, portanto vem ter comigo e pede-me para a levar para a cama dela:) De manhã, sempre depois das 7h, acorda e vem ter comigo e aí sim, deixo-a vir para a nossa cama e adoro. 1º pq sentir o cheirinho deles e os mimos é o melhor do mundo e 2º porque por vezes ainda dormimos mais uns minutos abraçadinhas!! Com todo este palavreado quero eu dizer que o facto do teu filho ir para a tua cama de manhã, não significa que terá de o fazer durante a noite. Os pais são vocês, portanto...
Bjinhos e parabéns pelo blog, que penso que foi a 1ª vez que aqui comentei:)

batata-frita-mãe disse...

Não te preocupes, isso é uma fase. Também já aconteceu aqui :)

Simplesmente Ana disse...

Para mim, o co-sleeping também não! Ao fim-de-semana, a minha filha já chegou a vir para a nossa cama depois de acordar e também chegou a adormecer enroladinha em nós. É muito bom, mas só mesmo quado o sol desponta, para ela perceber bem a diferença. Sou tão contra que, para não a habituar quando acorda a meio da noite, prefiro fazer uma "cama de cão" no tapete do quarto dela e dormir no chão. Cada maluco com a sua mania ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...